14 de outubro de 2015   Publicado por: Garante Araribóia

Poço Artesiano e Condomínio

A escassez de chuvas acabou por despertar a busca por fontes alternativas de água. Em meio a algumas iniciativas louváveis, surgem outras que causam preocupação. É o caso da grande maioria dos poços artesianos que são perfurados atualmente.

Mesmo com a fiscalização do Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee), a maioria absoluta dos poços é clandestina e opera de forma inadequada, o que pode contaminar aquíferos, particularmente quando são desativados.

Em Ribeirão Preto, conforme o Plano de Saneamento Básico do município, há 82 poços nessas condições, que afetam o Aquífero Guarani, reservatório subterrâneo com capacidade de 37 milhões de quilômetros cúbicos de água que ocupa áreas de Uruguai, Argentina Paraguai e, principalmente, Brasil.

Poços clandestinos também expõe a população a graves problemas de saúde. Sem prévia análise técnica, corre-se o risco de se utilizar água proveniente de aquíferos de solos contaminados. Esse tipo de comprometimento é o principal limitador de empreendimentos imobiliários no Estado de São Paulo. A descontaminação é trabalhosa, demorada e inviável economicamente.

A exploração excessiva compromete os níveis dos aquíferos. No caso Aquífero Guarani, o Programa Estratégico elaborado por pesquisadores dos quatro países em 2009 aponta a perda de capacidade como resultado da extração em níveis superiores à recarga e propõe a restrição à perfuração de poços.

Ainda assim, a alternativa se populariza entre condomínios. Boa parte da capital paulista situa-se sobre o Aquífero São Paulo, que ocupa cerca de 1.000 km² que abrangem ainda Guarulhos, São Bernardo do Campo, Mogi das Cruzes e outras cidades.

Sua vazão ideal é de 2,8 litros por segundo, podendo chegar a 11 litros por segundo. No caso de um condomínio que possua 100 apartamentos, cada um habitado por cinco pessoas, o consumo giraria por volta de 100 mil litros diários.

A água de reúso pode atender a fins menos exigentes quanto à qualidade e, dessa forma, reduzir o consumo da água tratada, que deve ter como destino usos mais nobres. Um projeto nesse sentido deve priorizar o tratamento de água que já foi usada ou o aproveitamento de águas de chuva.

Um projeto de reúso deve considerar, primeiramente, a qualidade da água a ser reusada e a qualidade exigida pelo futuro aproveitamento. Esta questão deverá definir a metodologia (processos de tratamento) a ser aplicada no tratamento e o seu custo.

*Dirceu D’ Alkmin Telles é consultor da Fundação de Apoio à Tecnologia (FAT), onde atua em cursos sobre projetos hídricos. Doutor em Engenharia Hidráulica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP).

Fonte: Folha do Condomínio

sem comentários publicado em: Notícias
Não há palavras-chave associadas com este artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>