20 de agosto de 2012   Publicado por: Garante Araribóia

Pesquisa: o preço dos apartamentos lançados no país

Brasília tem o preço médio mais caro. Lá, um apartamento de 100 m2 chega a custar mais de R$ 1 milhão.

 No mercado de imóveis nacional, a escassez de boas localizações e o envelhecimento da população brasileira tornaram os apartamentos novos mais caros e menores. Pela primeira vez, uma pesquisa aponta o valor de venda dos apartamentos residenciais, comerciais e hotéis lançados no país. Em 2011 foram R$ 85, 644 bilhões em imóveis novos. Desse total 36% estão em São Paulo.

“A gente percebe que os lançamentos se concentram nos grandes centros, onde é mais verticalizado e são rapidamente vendidos”, diz a diretora da Lopes, Cristiane Crisci.

O preço médio mais caro do lançamento está em Brasília. Um apartamento de 100 metros quadrados custa mais de R$ 1 milhão. Em Florianópolis, R$ 670 mil. Em Santos, no litoral de São Paulo, o mesmo apartamento sai por R$ 639 mil, mais do que na capital. No Rio de Janeiro, um apartamento do mesmo tamanho custa, em media, R$ 460 mil. O mais barato está em Serra, no Espírito Santo, onde sairia por R$ 213 mil.

“Em Brasília, o terreno, é escasso, é difícil, é caro. Florianópolis também porque é uma ilha com problemas ambientais bastante restritivos e aí segue, São Paulo, Santos, todos com problemas de escassez e a escassez faz o preço aumentar”, explica o presidente do Secovi-SP, Cláudio Bernardes.

Espaço reduzido

Mais de 60% dos apartamentos vendidos no ano passado têm menos de 80 metros quadrados. Eles encolheram com o passar das décadas.

Um apartamento padrão dos anos 70 tinha quartos grandes, com poucos banheiros. Suíte era raridade. A área privativa era separada da área social por corredores. A sala era grande e não faltavam as dependências de empregada e a copa, onde era servido o almoço. A metragem ficava entre 100 e 150 metros quadrados. Hoje, no mesmo espaço, cabem até três famílias.

Para atender as necessidades do mercado imobiliário, arquitetos e engenheiros criaram as plantas inteligentes. “Você tem terraço integrado com a sala, as salas integradas com os dois ambientes, a gente tenta usar a criatividade dos decoradores, você tem dois ambientes, você tem uma televisão que atende um ambiente e girando, atende o outro ambiente, então o apartamento hoje é muito mais funcional, você praticamente não vê vigas, pilares, o uso do apartamento é muito mais racional”, diz o diretor de incorporação, Nick Dagan.

Mudou a casa porque mudaram os moradores

 ”A gente tinha uma população muito jovem, hoje nós temos uma população que envelheceu um pouco, está na casa dos 35 anos mais ou menos. É um perfil de população que já tem o primeiro, segundo emprego, está começando a casar, você precisa de um apartamento que tenha esse perfil, então esse é o direcionamento do mercado”, completa Cláudio Bernardes.

Fonte: Globo.com

sem comentários publicado em: Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>