29 de novembro de 2013   Publicado por: Garante Araribóia

Oxigênio nosso de cada dia

Respirar bem é fundamental, por isso vale a pena prestar atenção no ar que circula dentro do próprio condomínio

Quem mora em cidade grande normalmente tem que encarar as consequências de um ambiente poluído, com ar carregado, que muitas vezes dificulta a vida de quem tem problemas respiratórios.

Para amenizar a situação, por que não começar a prestar mais atenção na qualidade do ar respirado dentro do próprio condomínio?  Algumas mudanças, inclusive, podem fazer grande diferença e não são nenhum bicho de sete cabeças.  Confira.

Fumo em áreas coletivas 

Fumar em lugares fechados a gente sabe que não pode, mas em áreas abertas – como na entrada do prédio, corredores e até playgrounds – muitas vezes não dá para evitar, sendo que, quem não fuma, acaba dependendo das regras de cada condomínio ou do bom senso dos fumantes.

E apesar de ser um tema que a maioria conhece, vale a pena salientar mais uma vez os riscos acarretados pelo cigarro.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, ele é o maior poluidor ambiental doméstico, e seus efeitos nocivos afetam até quem não é fumante, bastando estar em contato com a fumaça dispersada pelo produto.

“O consumo de derivados do tabaco está relacionado a 90% dos casos diagnosticados de câncer de pulmão do País”, alerta Rodolfo Gadia, oncologista clínico.

Portanto, vale a pena insistir nas campanhas de conscientização dentro do condomínio, afinal, fumar ou não é uma escolha individual e quem não optou por ela merece um ar mais limpo.

Cultive o verde

Já está mais do que provada a importância de se conservar áreas verdes. Assim, se der para cultivar um cantinho com árvores e plantas dentro do condomínio, melhor ainda. Caminhar por áreas verdes ajuda, inclusive, a melhorar a respiração.

Se a opção for por praticidade, vale escolher plantas como a espada de São Jorge, palmeiras, cactos e samambaias que, além de fáceis de serem encontradas, são práticas e ótimas aliadas no combate às impurezas do ar.

De quebra, dá para pensar em montar um pequeno canto verde dentro de casa ou do apartamento também.

Tintas ecologicamente corretas

Você sabia que as obras de restauro nas cidades históricas de Minas Gerais têm contado apenas com tintas sustentáveis?

A escolha foi feita porque estas tintas ecológicas permitem a “respiração” da parede, ou seja, deixam que o ar circule livremente pelos poros da superfície, permitindo a troca de calor e de umidade no ambiente.

“A base dos revestimentos é de água e não há solvente na composição. Por não emitir COV (sigla para compostos orgânicos voláteis), estas tintas não contribuem para a destruição da camada de ozônio”, explica Valéria Achcar, diretora comercial das Tintas Solum, empresa especializada na produção de produtos ecologicamente corretas.

Na hora da reforma, portanto, é válido considerar o uso de tintas ecológicas – e isto vale tanto para o condomínio quanto para sua casa.

Use purificadores de ar

Lugares abafados, onde o ar não circula, aumentam o risco de transmissão de doenças e de alergias, como salões de festa e salas de reunião, por exemplo.

Contar com a ajuda de aparelhos de ar-condicionado para combater o problema até ajuda com relação ao calor, mas os fungos e bactérias continuam. Por isso, é bom instalar purificadores de ar, que podem eliminar até 80% dessas impurezas.

Respire bem no condomínio

  • Apoie campanhas de conscientização sobre o fumo e procure sugerir regras sobre os locais em que é possível ou não fumar
  • Estimule a criação de uma área verde, com árvores ou plantas
  • Nas reformas, opte por tintas ecologicamente corretas
  • Purificadores de ar combatem fungos e bactérias e são essenciais em lugares fechados, como salões de festa e salas de reunião

Fonte: iCondominial

sem comentários publicado em: Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>