3 de junho de 2014   Publicado por: Garante Araribóia

No endereço certo

Cada condomínio organiza a entrega de correspondência de um jeito próprio, mas quando não funciona é preciso achar saídas.

Um condomínio normalmente recebe centenas de correspondências todos os dias, especialmente se for um daqueles com muitos blocos de apartamentos. E tudo que chega precisa ser separado e direcionado ao morador destinatário, o que nem sempre é uma tarefa simples, gerando reclamações frequentes de quem vive no empreendimento.

“Sempre recebia tudo com atraso ou nem sequer recebia. Inúmeras vezes tive que solicitar a segunda via da correspondência por não ter chegado ao meu apartamento”, conta Luiza Jardins, moradora de um condomínio no bairro Anália Franco, na zona leste de São Paulo.

A fisioterapeuta também afirma que, apesar das reclamações que fazia tanto para a síndica quanto para a própria administradora do condomínio, não era raro que ela recebesse a correspondência de outros moradores. O que fazer em situações assim?

Buscando soluções – Segundo Rodrigo Aguilera, gerente-comercial do Grupo Kaer, empresa especializada em serviços de terceirização, o ideal é que o condomínio eleja um funcionário para ficar responsável pela separação e endereçamento adequado das correspondências.  “Esse profissional pode ser o porteiro, o zelador e, em alguns casos, até o gerente predial.”

Dependendo do porte e da disponibilidade do quadro de funcionários, pode até ser necessário contratar um profissional especialmente para essa função.

“Pode-se admitir um mensageiro, que é contratado para fazer a organização, às vezes até realizando as entregas pessoalmente”, sugere.

Organizando a papelada – Segundo os Correios, alguns serviços podem ser utilizados para facilitar tanto a entrega quanto a separação das cartas que chegam. Por existirem correspondências que são de moradores e outras endereçadas ao próprio empreendimento, uma das primeiras dicas é o síndico ou o administrador procurar um posto dos Correios para solicitar terminações de CEP específicas.

Dessa forma, ao serem entregues na portaria, as próprias correspondências já teriam a indicação do bloco ao qual pertencem ou, ainda, mostrariam o código de CEP destinado aos administradores do condomínio.

Aguilera adverte, entretanto, que ao se buscar soluções para tornar mais eficiente a entrega é preciso verificar o que o regimento interno prevê.”Podemos ressaltar que, dependendo do regimento interno, é obrigação do condômino retirar suas correspondências na portaria”.

No caso do condomínio em que mora a fisioterapeuta Luisa, a solução adotada incluiu a troca do corpo de funcionários que realizavam a função e a substituição da entrega de unidade em unidade por armários separados por andar.

“Acredito que o profissional do prédio que faz o serviço ganhou mais tempo para realizar a separação, tornando-a mais ágil. Agora foi combinado que todas as correspondências estariam depositadas no armário gaveta em horário determinado”.

Para facilitar

- Algumas convenções e regimentos internos preveem que o morador precisa buscar a correspondência diretamente na portaria, por isso é importante checar o que o condomínio diz antes de procurar soluções

- Paute em assembleia os principais problemas existentes com a entrega das correspondências. Dessa forma, é mais fácil buscar uma forma de corrigir erros na separação e entrega

- Designe um funcionário especialmente para cuidar da correspondência, lembrando que ele não deve ficar sobrecarregado com outras funções quando estiver realizando o trabalho de separação e entrega das cartas

Fonte: iCondominial

sem comentários publicado em: Notícias
Não há palavras-chave associadas com este artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>