4 de setembro de 2012   Publicado por: Garante Araribóia

Mostrar como o atraso no pagamento afeta o condomínio dá resultados

Dentro do condomínio conviver com pessoas que, por diversos motivos, não estão com todas as suas contas pagas em dia muitas vezes torna-se um desafio, principalmente para os síndicos.

— As despesas relacionadas à moradia sempre estão no topo das prioridades de pagamento. Geralmente, o proprietário só atrasa quando está com sérios problemas financeiros. Por essa razão, procuramos tratar o caso sempre de forma amistosa, apesar de mantermos uma postura profissional — explica Leonardo Schneider, diretor da administradora Apsa.

O problema é que, algumas vezes, há a necessidade de cobrir os gastos daqueles que não podem pagar a taxa em dia, o que desagrada àqueles que quitam seus pagamentos no prazo previsto. Apesar de o síndico ser o responsável pelas finanças do condomínio, ele não está autorizado a dar desconto ou retirar os juros estipulados na convenção.

— O dinheiro que o inadimplente está devendo é do condomínio. É uma quantia que seria aplicada em melhorias, mas não está sendo — ressalta Ronaldo Coelho Neto, vice-presidente administrativo do Secovi Rio.

Wellington de Holanda, de 50 anos, síndico do condomínio Hildebrando Accioly, em Ipanema, aposta no diálogo:

— Mostro para os condôminos que o atraso ou não pagamento da taxa é ruim para todos, pois, quando um não paga, é preciso aumentar o valor para cobrir as despesas.

Apesar de o Código Civil ser apontado como uma das causas do aumento da dívida, o advogado Hamilton Quirino, especialista em Direito Imobiliário, não vê só desvantagens na mudança (confira abaixo).

Vantagens

Juros: aumento dos juros mensais, desde que previsto pela convenção.

Vagas: proibição de alugar ou vender vagas de garagem para estranhos.

Valor da multa: fixação de multa no valor de até cinco cotas para o descumprimento das normas internas.

Antissocial: fixação de multa de até dez cotas condominiais para comportamento antissocial.

Desvantagens

Multa: limitação do valor máximo foi limitado a 2%.

Destituição do síndico: falta de adoção de normas claras a respeito da destituição do síndico.

Assembleia ou reunião: falta de clareza de conceitos jurídicos, que confundem assembleia e reunião.

Quórum: confusão na fixação de quórum para deliberações. Antes, usava-se aprovação por parte de 2/3 dos moradores.

Fonte: Extra

sem comentários publicado em: Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>