15 de abril de 2013   Publicado por: Garante Araribóia

Cuidados ao utilizar o salão de festas

Embora não tenha normativa específica no Código Civil, a utilização das áreas de lazer dos condomínios deve se basear em direitos e deveres de moradores e administradores.

Pa­ra ofe­re­cer op­ções de la­zer aos mo­ra­do­res, os con­do­mí­nios dis­põem de al­gu­mas op­ções aos mo­ra­do­res, co­mo sa­lão de fes­tas, chur­ras­quei­ras e es­pa­ços gour­met. To­das es­sas ­áreas são con­si­de­ra­das de uso co­mum e, em­bo­ra não ha­ja nor­ma­ti­vas es­pe­cí­fi­cas no Có­di­go Ci­vil, sua uti­li­za­ção de­ve se ba­sear em di­rei­tos e de­ve­res tan­to pa­ra ­quem em­pres­ta quan­to pa­ra sín­di­cos ou ad­mi­nis­tra­do­res – co­mo re­pre­sen­tan­tes dos in­te­res­ses con­do­mi­niais.

Ad­vo­ga­do es­pe­cia­lis­ta em di­rei­to imo­bi­liá­rio e con­do­mí­nios, Mau­ri­cio dos San­tos Vie­ra ex­pli­ca que, por per­ten­cer à ­área co­mum do con­do­mí­nio, o es­pa­ço de la­zer po­de ser usa­do por to­dos os mo­ra­do­res. Ele in­for­ma que o va­lor co­bra­do pe­la uti­li­za­ção não de­ve nem mes­mo ser en­ca­ra­do co­mo ta­xa, uma vez que de­ve ter o pa­pel ape­nas de man­ter o fun­cio­na­men­to do lu­gar. ‘‘Es­se di­nhei­ro po­de ser uti­li­za­do pa­ra a com­pra de pro­du­tos de lim­pe­za do lo­cal, re­for­ma, even­tual con­su­mo de ­água e de ener­gia elé­tri­ca que se te­ve du­ran­te o ­evento’’, exem­pli­fi­ca.

Viei­ra es­cla­re­ce que não há um li­mi­te má­xi­mo pa­ra de­ter­mi­nar o va­lor da ‘‘­taxa’’. Ca­so se­ja ne­ces­sá­rio uma al­te­ra­ção pa­ra au­men­tar ou di­mi­nuir o va­lor, is­so de­ve ser de­ci­di­do por ­meio de As­sem­bleia Ge­ral Ex­traor­di­ná­ria com co­ro mí­ni­mo de 50% ­mais um dos con­dô­mi­nos adim­plen­tes vo­tan­do ‘‘­sim’’ pe­la al­te­ra­ção. O do­cu­men­to ge­ra­do de­ve ser re­gis­tra­do no Ofí­cio de Tí­tu­los e Do­cu­men­tos.

Com o va­lor de uso de­vi­da­men­te acer­ta­do, ­quais se­riam os di­rei­tos e de­ve­res de ­quem vai uti­li­zar o es­pa­ço?

Con­for­me o ad­vo­ga­do, é di­rei­to do con­dô­mi­no de­ter­mi­nar ­quem po­de­rá en­trar ou não no sa­lão de fes­ta en­quan­to o es­pa­ço es­ti­ver sob ­seus cui­da­dos, o que de­ve ser res­pei­ta­do pe­los de­mais mo­ra­do­res. ‘‘Ca­so se­jam con­vi­da­das pes­soas de fo­ra do con­do­mí­nio, é in­te­res­san­te que se pre­pa­re uma lis­ta com no­mes pa­ra que o por­tei­ro pos­sa con­tro­lar a en­tra­da e saí­da, vi­san­do a ­segurança’’, in­di­ca.

Já quan­to aos de­ve­res, Viei­ra avi­sa que ca­so al­gum da­no se­ja cau­sa­do ao es­pa­ço pe­lo uti­li­za­dor, ca­be ao mes­mo pro­vi­den­ciar o con­ser­to o ­mais rá­pi­do pos­sí­vel. Se es­se re­pa­ro de­mo­rar pa­ra ser efe­tua­do, o sín­di­co po­de pro­vi­den­ciar ­três or­ça­men­tos de em­pre­sas es­pe­cia­li­za­das, exe­cu­tar o ser­vi­ço e or­de­nar o pa­ga­men­to pe­lo uti­li­za­dor.

Ou­tro fa­tor a ser le­va­do em con­ta é que mes­mo que o con­dô­mi­no re­ser­ve o es­pa­ço e não o uti­li­ze, ele de­ve ar­car com o va­lor da ta­xa. O ad­vo­ga­do acon­se­lha aos sín­di­cos que a me­lhor for­ma de exe­cu­tar a co­bran­ça é in­cluir o va­lor na fa­tu­ra do con­do­mí­nio.

No que diz res­pei­to aos de­ve­res dos sín­di­cos, o prin­ci­pal pon­to é que ele man­te­nha o am­bien­te em de­vi­das con­di­ções de uso pa­ra to­dos no con­do­mí­nio.

O es­pe­cia­lis­ta faz ain­da al­gu­mas con­si­de­ra­ções em re­la­ção a ­quem de­ve ­usar ou não o es­pa­ço pa­ra even­tos. De acor­do com Viei­ra, es­se de­ve ser um di­rei­to ape­nas de ­quem man­tém o seu con­do­mí­nio pa­go em dia. ‘‘O Có­di­go Ci­vil es­ta­be­le­ce que o con­dô­mi­no ina­dim­plen­te não tem nem mes­mo di­rei­to a vo­to em as­sem­bleias. No meu en­ten­der, se o sín­di­co ­achar por bem, po­de não ce­der a uti­li­za­ção do lo­cal pa­ra es­se ­morador’’, afir­ma.

O sa­lão tam­bém não de­ve ser ‘‘­locado’’ pa­ra ter­cei­ros, uma vez que é de uso co­mum, ape­nas de ­quem re­si­de no con­do­mí­nio.

Viei­ra lem­bra ain­da que ca­so ­mais de um mo­ra­dor quei­ra fa­zer uso do es­pa­ço em um mes­ma da­ta, te­rá prio­ri­da­de aque­le que re­ser­var o lo­cal pri­mei­ro. ‘‘É cla­ro que is­so é um ca­so ex­traor­di­ná­rio, mas se ­mais de uma pes­soa che­gar à por­ta­ria pa­ra so­li­ci­tar o es­pa­ço ao mes­mo tem­po, ca­be o bom-sen­so do sín­di­co de tal­vez rea­li­zar um ­sorteio’’, acon­se­lha.

Pa­ra o ad­vo­ga­do, os mo­ra­do­res de­vem ter cons­ciên­cia de que o sa­lão é de uso co­mum e, co­mo qua­se tu­do na vi­da, a uti­li­za­ção do con­do­mí­nio re­quer com­preen­são. ‘‘Às ve­zes, é ne­ces­sá­rio apli­car a po­lí­ti­ca da boa vi­zi­nhan­ça pa­ra evi­tar ­problemas’’, ob­ser­va Viei­ra.

Fonte: Folha Web

sem comentários publicado em: Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>