9 de dezembro de 2014   Publicado por: Garante Araribóia

Como gerenciar o consumo de energia no condomínio

Já existem no Brasil alguns edifícios construídos com eficiência energética, mas também os prédios mais antigos e consolidados poderão contar com esse recurso através de processos de retrofit de suas instalações ou mesmo defacelift. Este termo costuma ser empregado em intervenções que visam a conferir uma melhoria na fachada das edificações, de forma que elas ajudem o prédio a compensar as temperaturas (a reter ou liberar calor e/ou frio de acordo com a situação).  Também inclui mudança das janelas, que podem ter tamanhos e vidros adequados para exercer a mesma finalidade, isto é, para reter ou refletir o calor e até o som. Assim, considera-se que a eficiência energética pressupõe soluções que diminuam a dependência da energia (para aquecer ou resfriar, por exemplo).

Podemos observar no Gráfico 01 o padrão brasileiro geral de consumo nas edificações (sendo que a lenha é de zonas rurais).

Gráfico 01 – Padrão de consumo de energia nas edificações brasileiras


Fonte: Ministério das Minas e Energia

A dependência da eletricidade é muito grande, o que se reproduz internamente, dentro do padrão de consumo de cada família. Observa-se no Gráfico 02 que, no geral, chuveiro e refrigeradores constituem os itens que mais consomem energia.

Gráfico 02 – Equipamentos domésticos que mais consomem energia nas residências brasileiras 


Fonte: Pesquisa na Classe Residencial Procel-Eletrobrás 2007

Por esse estudo observa-se que tem havido ainda crescimento de consumo de energia de alguns itens, como o ar-condicionado, cuja participação saltou de 3% em 1997 para 20% em 2007. No entanto, com um estudo de eficiência energética é possível diminuir a demanda de consumo do equipamento.

O mesmo pode ser adotado para todos os demais aparelhos. Em relação ao condomínio como um todo,  uma boa dica aos síndicos é buscar fontes alternativas de energia, otimizando o consumo de todos os eletroeletrônicos.

Eles também podem apostar na modernização dos elevadores, visando ao menor consumo de energia e procurando, ao mesmo tempo, melhorar a segurança, diminuir os ruídos (motores e guias) e promover a valorização do edifício. A título de exemplo, observe na Figura 01 um comparativo do consumo de energia em um elevador com modernização e em outro sem modernização.

As soluções são viáveis e poderão ajudar não apenas na economia financeira de cada condomínio, mas na racionalização do uso dos recursos naturais, com ganhos imensuráveis para as gerações futuras.

Figura 01 – Comparativo do consumo de energia em elevadores com e sem modernização

Fonte: Gestores da Norma VDI4707:2009 (Alemanha)

Fonte: Direcional Condomínios

sem comentários publicado em: Notícias
Não há palavras-chave associadas com este artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>