26 de novembro de 2014   Publicado por: Garante Araribóia

Caixa em dia, água limpa

Limpeza do reservatório de água deve ser feita duas vezes por ano; cuidado evita problemas de saúde

As caixas d’água, reservatórios instalados nas casas para garantir o abastecimento, precisam de limpeza com regularidade. É que, com o passar do tempo, micro-organismos e resíduos ficam acumulados no fundo do recipiente, ameaçando a saúde dos moradores. A recomendação da Sanepar é de que o espaço de tempo entre uma limpeza e outra seja de seis meses. O serviço ainda pode indicar a presença de vazamento.

Segundo o responsável técnico e engenheiro agrônomo da DDTudo, Eslauco Dvonaren, “a principal fonte de contaminação é a mal vedação da caixa, responsável por 90% casos”, diz. Manter o reservatório vedado impede, por exemplo, a entrada de sujeiras, insetos e animais, o que pode tornar a água imprópria para o consumo. O próprio morador pode fazer a limpeza da caixa d’água de sua residência, mas o serviço especializado garante a higienização correta, além de afastar riscos.

Dvonaren conta que o serviço de limpeza de caixas de 500 litros custa em torno de R$ 250 em Maringá. No entanto, ele explica que empresas irregulares são responsáveis pela variação de 100% para menos no preço. Em condomínios, que contam com reservatórios de 10 a 15 mil litros, o preço pode variar entre R$ 200 e R$ 1 mil.

Na hora de contratar o serviço vale a pena fazer comparações além do preço. As empresas regulamentadas atuam conforme as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “Antes de contratar, é preciso verificar se há alvará de funcionamento, licença sanitária, se os funcionários têm cursos de segurança para realizar os serviços, como treinamento de trabalho em altura e em espaços confinados. Às vezes é preciso medir a quantidade de oxigênio dentro da caixa e o acompanhamento de um técnico de segurança. Verifique entre outros detalhes a certificação do responsável técnico e da empresa no conselho de classe. É ainda importante pedir nota fiscal”, explica Dvonaren. Também vale pesquisar se a empresa presta assistência depois do serviço.

As empresas regulamentadas emitem obrigatoriamente um comprovante de execução do serviço. “No comprovante, é necessário citar o passo a passo de todo o serviço feito como manda a legislação [fechamento do registro, fotos antes e depois, bloqueio do ladrão com tela, entre outros]“.

Segundo o professor Benício Alves de Abreu Filho, do laboratório de microbiologia da Universidade Estadual de Maringá (UEM), a qualidade da água na cidade é boa. Ele explica que a quantidade de cloro na água, substância que elimina micro-organismos considerados patogênicos, é satisfatória. “Mesmo assim o monitoramento deve ser feito”, diz.

Caixa em dia, água limpa - Divulgação

QUALIDADE. A caixa d’água precisa estar tão limpa quanto a água

Ele explica que o tratamento feito pela companhia de água é realizado para que sejam eliminadas, por exemplo, bactérias do grupo coliformes Escherichia e totais, e hipertróficas. “A quantidade de cloro com que a água é tratada pelo órgão que a distribui consegue segurar [contaminações], mas mesmo assim é preciso fazer a limpeza. A partir do momento que a água é entregue à casa do morador (condomínio, empresa), ele é responsável pelo armazenamento e cuidado”, diz.

O professor ressalta que a água clorada oferece a segurança necessária, mas que em locais onde a água é extraída de poços, é preciso fazer análises.

O médico infectologista César Heldel explica que água contaminada oferece riscos à saúde, como doenças bacterianas, causadas por coliformes fecais, gastroenterites, doenças diarreicas e outras intestinais. Ele enfatiza que pode ocorrer até septicemia [infecção generalizada do organismo por bactérias que pode levar à morte].

CAIXA D’ÁGUA

Capacidade - Considere o consumo médio diário de 150 litros por pessoa e multiplique pelo número de moradores. Em seguida multiplique por três. Assim, é possível definir a litragem ideal para o imóvel.

Local de instalação - Em superfície plana, resistente e de fácil acesso.

Material - Polietileno e fibra de vidro são fáceis de limpar, enquanto inox é resistente.

Acessórios - Tampas, filtros, boias e conexões soldadas evitam o contato da água com sujeiras.

Fonte: O Diário

sem comentários publicado em: Notícias
Não há palavras-chave associadas com este artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>