9 de outubro de 2013   Publicado por: Garante Araribóia

Assentar piso sobre piso é opção para reformar sem entulho

Sujeira, quebra-quebra e entulho não precisam mais fazer parte das reformas que trocam o revestimento do chão de casas e apartamentos. Em muitos casos, ao invés de remover todo o piso que vai ser substituído, é possível apenas assentar o revestimento novo sobre o antigo.  Essa opção é viável principalmente quando o objetivo da reforma é trocar um piso de cerâmica por outro modelo do mesmo material.

A arquiteta Maria Manoela Parkinson, proprietária de uma franquia da marca Dr. Faz Tudo, no Rio de Janeiro, avalia que optar pelo assentamento de piso sobre piso diminui os custos da obra, já que o serviço demolição e descarte de entulho deixa de ser necessário, além de reduzir também o tempo de realização da reforma. “Eu atualmente só faço isso, a não ser quando o piso está solto”, comenta a arquiteta.

A desvantagem é que, com a sobreposição dos pisos, o ambiente que passou pela reforma fica com um degrau em relação aos demais, o que também pode afetar a soleira das portas. Maria Manoela explica que esse degrau costuma ser de no máximo meio centímetro e geralmente não é perceptível visualmente, já que fica embaixo da porta. Ela afirma que dada as vantagens desse tipo de reforma, é preferível serrar a porta em vez de fazer a remoção do piso antigo para instalar o novo.

Pisos de cerâmica podem ser assentados sobre outros pisos de cerâmica desde que o revestimento que vai ser coberto esteja nivelado e bem fixado ao chão. Nos casos em que houve o estufamento ou descolamento do piso, mesmo que apenas em partes, a sobreposição não é indicada. “É fundamental verificar se esta cerâmica está bem nivelada e se não são formados pequenos degraus entre as cerâmicas e o rejunte”, ressalta Renata Arrepia, diretora da Texthura Y Cor, revenda de revestimentos nacionais e importados.

A arquiteta Maria Manoela menciona que a fixação do piso deve ser feita com uma argamassa especial, própria para o assentamento de cerâmica sobre cerâmica. Ela é mais colante e também tem preço maior do que a argamassa comum.

Renata indica que em áreas secas, piso de madeira laminado, piso vinílico e o porcelanato extrafino também podem ser usados para cobrir a cerâmica antiga. Em áreas molhadas, ela sugere apenas a utilização de porcelanato extra-fino, piso vinílico e tecnocimento.

O piso vinílico é um revestimento sintético composto por PVC cuja aparência imita madeira. Ele é comercializado em formato de tapetes, mantas ou placas com dois milímetros de espessura, o equivalente a grossura de um cartão de crédito. O tecnocimento é um tipo de cimento queimado aprimorado. Ele é aplicado com uma desempenadeira de aço, como a massa corrida usada em paredes.

Madeira

Quando o piso existente é o de madeira não é possível fazer a sobreposição. Renata explica que por ser um produto natural, a madeira dilata e retrai de acordo com a alteração da temperatura do ambiente onde está e esta movimentação pode afetar o piso colocado sobre ela. Além disso, Maria Manoela comenta que a madeira é um revestimento que precisa ser mantido seco, o que torna inviável a colocação de argamassa, que é molhada, sobre ele.

A opção contrária, ou seja, assentar o piso de madeira sobre cerâmica é possível, segundo a arquiteta. Antes, no entanto, é necessário aplicar um cimento colante para retirar as irregularidades do piso existente. Se o revestimento atual for um carpete de madeira, Maria Manoela comenta que muitas vezes não é preciso nenhuma preparação para o assentamento de um novo revestimento do mesmo material. Além disso, existem no mercado pisos de madeira em réguas com sistema de encaixe que dispensa o uso de cola para fixação.

Carpete

Manter o carpete na hora de instalar um novo revestimento no ambiente tem uma vantagem a mais, já que  ele contribui para o conforto acústico do espaço, sobretudo quando é utilizado em conjunto com uma manta acústica. O ideal nesses casos é escolher um piso laminado.

Fonte: Portal BBel

sem comentários publicado em: Notícias
Não há palavras-chave associadas com este artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>